terça-feira, 2 de outubro de 2007

SAÚDE - Fenilpropalamina: enfim, uma corrente de e-mail que não é boato.



Enfim, uma corrente de e-mail que não é boato.
Giordani Rodrigues

Já há algum tempo circula pela Internet uma mensagem informando sobre uma resolução do Ministério da Saúde que suspendeu o uso e distribuição de um medicamento — a Fenilpropalamina. O e-mail também cita o nome de um médico. InfoGuerra investigou as informações e chegou a uma conclusão surpreendente, em se tratando de uma corrente: todas as informações são verdadeiras.

A resolução a que a mensagem se refere é a de número 96, de 8 de novembro de 2000, que trata de características prejudiciais da Fenilpropalamina, uma substância que era comum em medicamentos antigripais. A resolução existe. Está publicada no site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e pode ser encontrada aqui.

A pessoa que assina o e-mail, Maurici Aragão Tavares, citado como médico do trabalho, realmente exerce esta profissão e escreveu a mensagem. Ele só não tem certeza de como ela foi parar na Internet. Tavares disse que o texto foi escrito há cerca de seis meses, enquanto trabalhava numa multinacional em Cubatão, São Paulo. Até seu registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) foi mantido. A única informação que não corresponde mais à realidade é o número de telefone da empresa, que provavelmente mudou.

“Na época, produzíamos cerca de uma mensagem por semana, com assuntos de interesse médico. Os textos eram distribuídos na Intranet da empresa e, como havia um estudo nos EUA e essa resolução do Ministério da Saúde sobre a Fenilpropalamina, resolvemos transmitir a informação. Provavelmente alguém que recebeu o texto pela Intranet enviou-o por e-mail para algum conhecido e a mensagem acabou circulando na Internet”, esclarece o médico.

Ele também informa que vários dos medicamentos citados na mensagem já não estão mais utilizando a Fenilpropalamina em suas fórmulas. Tavares, que mora em Santos, disse ainda que já recebeu telefonemas de outros estados perguntando sobre o e-mail.

Abaixo você pode ver a mensagem como foi recebida por InfoGuerra. O número de telefone e o CRM de Tavares foram suprimidos.

O Ministério da Saúde através da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária, suspendeu em 08/11/00, por meio da Resolução 96, a fabricação, distribuição, manipulação, comercialização e dispensação de medicamentos com o principio ativo denominado FENILPROPALAMINA. A medida foi tomada depois que a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos constatou que a substancia vinha provocando efeitos adversos FATAIS em usuários americanos (hemorragia cerebral). No Brasil a suspensão é preventiva, uma vez que não existem casos relatados.

A fenilpropalamina está presente em 21 medicamentos, especialmente anti-gripais. Os medicamentos suspensos são os seguintes:

1) Bernadryl dia e noite.
2) Contac
3) Naldecon Bristol
4) Acolde
5) Rinarin Expectorante
6) Deltap
7) Desfenil
8) HCL de fenilpropalamina
9) Naldex
10) Nasaliv
11) Decongex Plus
12) Sanagripe
13) Descon
14) Descon AP
15) Descon Expectorante
16) Dimetapp
17) Dimetapp Expectorante
18) Ceracol Plus
19) Ornatrol
20) Rhinex AP
21) Contilen

Solicito pois a todos os colaboradores e familiares, que estejam utilizando qualquer medicamento da lista acima, que suspendam a medicação e procurem o seu medico para maiores detalhes.

Atenciosamente,

MAURICI ARAGÃO TAVARES
MEDICO DO TRABALHO
CRM. SP. 33006

*** POR FAVOR, REPASSEM ***.

http://www.anvisa.gov.br/farmacovigilancia/spots/index.htm

http://www.infoguerra.com.br/infonews/viewnews.cgi?newsid1000744852,62650,

Um comentário:

ESPAÇO DO CAVALO disse...

A página da Anvisa não foi encontrada "/