domingo, 30 de março de 2008

Alex Castro - Tulane University / New Orleans


Hedonist, novelist, atheist, foot fetishist.

Right handed, divorced, seasoned, traveled.

Free thinker, writer, teacher, doer.

I've met the women I love through Flickr, so I like it here.

Yes, yes, I'm sure you're a very nice guy, but no, I don't want to be your friend and no, please, I don't want to see your penis!

After being born and raised in the sexiest, most delicious city in the world (Rio de Janeiro), I'm now living in post-Katrina New Orleans, another sensual, hedonistic city trying to get back its mojo.

My main blog (Portuguese only, sorry): Liberal Libertário Libertino

My selection of the best fotologs in the world (in Portuguese as well, but even if you don't understand it, click on the links, they're worth it): Guia de Fotologs

My beautiful women blog, pictures only, no words: Gatas do Flickr

My two Flickr groups about my two greatest passions: Evil Women and Feet

A bit more about Alex Castro...
Hometown: Rio de Janeiro
Occupation: Writer
Interests: Freedom, literature, history, colonial architecture, giantess, foot fetish, villainess, bdsm, feet, toes
Favorite Books & Authors: bible, grande sertão: veredas, decline and fall of the roman empire, cien años de soledad, chekhov, kafka, borges, lispector, miller, thoreau, emerson, whitman, lobo antunes, gorky, sábato
Favorite Movies, Stars & Directors: romeo + juliet, mighty aphrodite, magnolia, central do brasil, gone with the wind, when harry met sally, eyes wide shut, hable con ella, el matador
Favorite Music & Artists: ska, chorinho, tango, classical


sábado, 29 de março de 2008

TULANE UNIVERSITY: Brazilian Popular Music by Dr. Christopher Dunn

Christopher Dunn, Chair
Department of Spanish and Portuguese
302 Newcomb Hall
Tulane University
New Orleans, LA 70118-5698

tel: 504-865-5519
fax: 504-862-8752

Brazilian Popular Music
PORT 629: Brazilian Cultural Studies

BRAZ 481: Special Topics in Brazilian Studies

ADST 482: Special Topics in African and African Diaspora Studies

Mondays 3:30-6:00pm

Portuguese Section: 6:00-7:30pm

Newcomb 123

Office Hours:

Christopher Dunn (Tuesdays & Thrusdays 12:30-2:00pM)

Idelber Avelar (Mondays, Tuesdays, and Thursdays 2:30-3:30)

The course will offer an in-depth inquiry into over a 100 years of Brazilian cultural history through the prism of popular music, often regarded as Brazil’s most accomplished field of artistic production. More than any other Latin American country, Brazil’s self-definition has been elaborated through the production and consumption of popular music. No other field of cultural production has had quite the same universal appeal among Brazilians, nor reached the same degree of international acclaim. The study of popular music is particularly useful for understanding Brazilian social and cultural history. In this course, students will be introduced to some formal aspects of Brazilian music and well as acquire extensive knowledge of its history during past one hundred years. Genres and cultural phenomena to be covered include: samba, choro, bossa nova, protest music, Tropicália, as well as regional forms such as forró and xaxado, and international musics appropriated in Brazil such as rock, reggae, and rap. The study of music will provide the basis for the exploration of issues such as nationalism, regionalism, developmentalism, authoritarianism, and globalization. The course will include visits by established New Orleans musicians who specialize in Brazilian music and have experience teaching it.

The course will serve both graduate and undergraduate students regardless of proficiency in Portuguese. Students of BRAZ 481 and ADST 482 are responsible for reading and preparing the readings in English. Students of PORT 629 will read scholarship in Portuguese in addition to texts from the English-language reading list. After the first week, BRAZ & ADST students will meet separately from 3:30 to 4:45pm for a discussion session related to relevant reading. After a brief interlude these two groups will be joined by the PORT 629 group for an hour lecture / demonstration relating to the topic of the week. Each week during this period we will provide a brief presentation on a featured artist. Usually these artists relate directly to the theme of that week, but occasionally they will serve as counterpoints. At 6:00pm the first two sections will be adjourned. The PORT 629 section will remain until 7:30pm for a discussion session related to a set of readings in Portuguese.


We have organized an extensive compilation of modern Brazilian music (1917-2000) entitled BRAZSONGS, which features original lyrics and English translations of canonical compositions of the Brazilian popular songbook. Using the Blackboard system, students registered for the course are able access these lyrics as well as the sound recordings using streaming media. All of the recorded material on BRAZSONGS will also be available on CDs in the Music Library together with a few commercially produced compilations from our own collections. The translated lyrics will be contained in English-language coursepack. Students are responsible for familiarizing themselves with this music. BRAZSONGS will serve as a basic resource for one writing assignment. The material presented in BRAZSONGS will also figure into the final exam.

In putting together BRAZSONGS, we sought to offer a selection as comprehensive and diverse as possible. However, this compiltation only scratches the surface. We encourage all students to explore the vast tradition of Brazilian popular music. In New Orleans, both Tower Records and Virgin Megastore stock reasonably good selections of Brazilian popular music. Magic Bus (527 Conti St.) has an excellent collection of used Brazilian CDs for about $10 a piece. For rarities, we recommend the online store

On Saturday afternoons from 2-4pm there is a very good Brazilian music program, "Tudo Bem," hosted by Katrina Geenen on WWOZ (90.7 FM).

English Reading List:

Chris McGowen and Ricardo Pessanha. The Brazilian Sound

Peter Fryer. Rhythms of Resistance: African Musical Heritage of Brazil

Hermano Vianna. The Mystery of Samba: Popular Music and National Identity in Brazil

Alma Guillermo Prieto. Samba

Ruy Castro. Bossa Nova: The Story of the Brazilian Music that Seduced the World

Christopher Dunn. Brutality Garden: Tropicália and the Emergence of a Brazilian Counterculture

Charles A. Perrone. Masters of Contemporary Brazil Song

Charles A. Perrone and Christopher Dunn, eds. Brazilian Popular Music and Globalization

Portuguese Reading List:

Muniz Sodré. Samba: o dono do corpo

Antônio Risério. Caymmi: uma utopia de lugar

Augusto de Campos et. al. Balanço da bossa e outras bossas

José Ramos Tinhorão. Música popular: um tema em debate

There will be two additional coursepacks, one in English and one in Portuguese available at Metro Copy on Calhoun St.

Web Resources

There has been an extraordinary proliferation of websites dedicated to Brazilian Popular Music. Nearly all of the living musicians discussed in this course have their own web-sites and many of them are bilingual. For beginners, we recommend the following general sites which contain links to individual sites. (Expansive and up-to-date bilingual site edited in Brazil)

www.thebraziliansound (Good U.S.-based site run by Chris McGowen) (A smart hipster offers his reflections on a broad range of MPB recordings, especially Tropicália) (A vast data base in Portuguese of Brazilian songs organized by composer, performer, style, region, and other categories) (A useful site with interesting bilingual interviews with contemporary Brazilian musicians)


Several video documentaries in Portuguese and English will be on reserve in the Language Lab in Newcomb Hall.

Class Schedule:

January 14: Introduction

Special Session on Tuesday January 22, 5-7pm : Historical Overview

Required: Chris McGowen and Ricardo Pessanha. The Brazilian Sound; Caetano Veloso, "Carmen Mirandadada" in Brazilian Popular Music and Globalization

Recommended: Charles A. Perrone and Christopher Dunn, "Chiclete com Banana: Internationalization in Brazilian Popular Music" in Brazilian Popular Music and Globalization

Portuguese section: Marcos Napolitano, "A invenção da música popular brasileira: um campo de reflexão para a história social"; José Miguel Wisnik, "A gaia ciência: literatura e música popular no Brasil"

January 28: Roots and Routes of Brazilian Popular Music

Required: Peter Fryer. Rhythms of Resistance (Introduction, chapters 1, 2, 4, 6, 7, 8)

Portuguese Section: Muniz Sodré, Samba, o dono do corpo; Claudia Neiva de Matos, "O malandro no samba"

Featured artist: Pixinguinha

February 4: Samba, Modernism, and National Self-Fashioning

Required: Hermano Vianna. The Mystery of Samba; Bryan McCann, "The Nationalist Logic of Noel Rosa"

Recommended: Suzel Ana Reily: "Macunaima's Music: National Identity and Ethnomusicological Research in Brazil"

Portuguese section: Mario de Andrade, selections from Ensaio sobre a muúsica brasileira; José Miguel Wisnik, "Nacionalismo musical"; Affonso Romano de Sant'anna, "As origens do samba, Noel Rosa e o modernismo" and "Ufanismo de Ari Barroso e o Verde-amarelismo de Cassiano Ricardo"

Featured artist: Noel Rosa

Já é carnaval cidade, acorda pra ver!!!

February 18: Samba and Beyond

Required: Alma Guillermo Prieto. Samba

Portuguese section: Antonio Risério, Caymmi: Uma utopia de lugar

Featured artists: Dorival Caymmi and Luiz Gonzaga

February 25: The Finished Product: Bossa Nova

Required: Ruy Castro. Bossa Nova (1-158)

Portuguese section: José Ramos Tinhorão, Música popular: um tema em debate (9-87); Selections from Augusto Campos, Balanço da bossa (17-125)

Featured artist: Clementina de Jesus

March 4: From Bossa Nova to MPB

Required: Ruy Castro. Bossa Nova (159-335); David Treece: "Guns and Roses: bossa nova and Brazil's music of popular protest, 1958-68"

Recommended: Martha Ulhoa, "Tupi or not Tupi MPB: Popular Music and Identity in Brazil"

Portuguese section: Lorenzo Mammí, "João Gilberto e o projeto utópico da bossa nova"; "Que caminho seguir na música popular brasileira?"; Walnice Nogueira Galvão, "MMPB: uma análise ideológica"; Campos, Balanço da bossa (125-141)

Featured artist: Paulinho da Viola

BRAZ 481 and ADST 482: MID-TERM take-home exercise due

PORT 629: Critical Review of book or series of articles (4-5 pages)

March 11: The Tropicalist Moment

Required: Christopher Dunn. Brutality Garden (chapters 1-4); Roberto Schwarz: "Culture and Politics in Brazil, 1964-69"

Recommended: Fred Moehn, "In the Tropical Studio: MPB Production in Transition"; "The Tropicalista Rebellion: A Conversation with Caetano Veloso"

Portuguese: Campos, Balanço da bossa (141-207) ; Caetano Veloso, Verdade Tropical, "Antropofagia"

Featured artist: Tom Zé

March 18: Beyond Tropicália: The Brazilian Counterculture

Required: Christopher Dunn, Brutality Garden (chapters 5-6), Charles Perrone, Masters of Contemporary Brazilian Song (47-128)

Recommended: Brazilian Popular Music and Globalization (chapters 5-6)

Portuguese section: Silviano Santiago, "Caetano Veloso enquanto superastro" and "Bom Conselho"; Affonso Romano de Sant'anna, "Curtição e esoterismo na marginalidade"; Jorge Mautner, "Cultura negra sem fronteiras"

Featured artist: Jorge Ben

April 1: MPB and the Tradition of Samba: Chico Buarque and João Bosco

Required: Charles Perrone. Masters of Contemporary Brazilian Song (1-44, 165-216)

Portuguese: Interviews with Chico Buarque (1970 & 1974); Jorge Mautner, "Chico Buarque e Jorge Ben" and "Chico, símbolo e herói"; José Miguel Wisnik, "O minuto e o milênio ou Por favor, professor, uma década de cada vez"

Featured artist: Raul Seixas

April 8: Minas, Milton, Metal, and Memory

Required: Charles Perrone. Masters of Contemporary Brazilian Song (130-62); Brazilian Popular Music and Globalization (chapter 7); Martha Ulhoa, "Canção da America: style and emotion in Brazilian popular song"

Portuguese Section: Marcio Borges, Os sonhos não envelhecem (155-270)

Featured artist: Elis Regina

ASSIGNMENT: Close reading of selections from BRAZSONGS or other Brazilian songs of your choosing (2-3 pages)

April 15: Afro-Bahia and the Diasporic Imagination

Required: Brazilian Popular Music and Globalization (chapters 9, 10, 11, 13)

Portuguese Section: Selections from Antonio Risério, Carnaval Ijexá; Goli Guerreiro, "Um mapa em preto e branco da música na Bahia"

Featured group: Ilê Aiyê

April 22: Contemporary Trends: Funk, Hip-Hop, and Mangue Beat

Perrone and Dunn. Brazilian Popular Music and Globalization (Chapters 8, 14, 16); George Yúdice, "The Funkification of Rio"; Cristina Magaldi, "Adopting Imports: new images and alliances in Brazilian popular music of the 1990s"

Recommended: Interview with Chico Science at (available in both Portuguese and English)

Portuguese: Interview with Mano Brown in Caros Amigos

Featured group: Chico Science e Nação Zumbi

FINAL EXAM FOR ALL SECTIONS: Thursday May 2 (1:00-5:00 pm)

Since we have assigned a final research paper that should be critical and analytical, the final exam will focus primarily on basic knowledge and familiarity with Brazilian popular music based on readings from the course and BRAZSONGS. One section of the exam will feature audio identification of genres, styles, and artists.

FINAL PAPER DUE: Thursday May 9

The final paper should be 10-12 pages for BRAZ 481 and ADST 482 students and 18-20 pages for PORT 629 students.


Class attendance, preparation, and participation………………..…....15%

Mid-term exam or critical review………..…………………………..15%

Close Reading………………………………………………………..15%

Final Exam……………………………………………………………15%

Final Paper……………………………………………………………40%

terça-feira, 25 de março de 2008

A Questão da Dor, a Dor Psíquica e o Sofrimento

Centro de Estudos Budistas Bodisatva Salvador - BA
Budismo Tibetano - Lama Padma Samten

w w w . c a m i n h o d o m e i o . o r g


A Questão da Dor, a Dor Psíquica e o Sofrimento

01 a 03 de Abril de 2008
Das 19h30 às 21h30
Local: Instituto da Hospitalidade
Rua da Misericórdia
(em frente ao Museu da Misericórdia)

Fazendo parte da Programação da exposição das Relíquias do Buda no Museu da Misericórdia, esse evento especial pretende reunir especialistas de diversas áreas, de saúde, acadêmica e mestres de diferentes tradições, para um Diálogo Budismo e Saúde. Dentre os temas abordados, além dos Ensinamentos tradicionais, ocorrerão várias palestras abordando as Diferentes Visões, o Aprofundamento da situação e as Ações no Mundo, através das quais o homem contemporaneo pode ser entendido e apoiado em sua busca pelas causas e fim do Sofrimento.

Dia 1º de abril, terça-feira
Módulo I – O Profissional de Saúde Mental, a Ciência e a Espiritualidade:
- Contradições e Interseções.
Palestrantes: Dr Adenáuer Novaes Psicólogo Clínico formado pela UFBa, autor de livros - Drª Arlúcia Fauth - Psiquiatra e Psicanalista. Profª do Departamento de Neuropsiquiatria da FAMEB-UFBa e terapeuta da Aliança de Redução de Danos - UFBa. Convidado Especial: Lama Padma Samten (POA) – Moderadora: Profª Ana Ricl (Coordenadora do CEBB SSA)

Dia 02 de abril, quarta-feira
Módulo II – A Realidade da Dor, da Dor Psíquica e do Sofrimento:
- “Quando Tudo se Desfaz..”
Palestrantes: Babalorixá Augusto Cesar Lacerda, filho de Mãe Menininha do Gantois, formação acadêmica em Artes Plásticas e diretor fundador de arte do ARAKETU – Profª Heloísa Helena Costa Doutorado em Sociologia da Universidade do Québec, Profª em faculdades no Brasil e no Exterior, Consultora da Unesco, Drª Márcia Villemor (Médica Oncologista, Membro das Associações de Oncologia Clínica do Brasil e dos Estados Unidos). Convidado Especial: Lama Padma Samten (POA) – Moderadora: Sra. Jane Palma (Diretora do Museu da Misericórdia)

Dia 03 de abril, quinta-feira
Módulo III - O Tratamento da Dor, da Dor Psíquica e do Sofrimento:
- Prevenção, Intervenção e Liberação
Palestrantes: Dr. André Furtado Especialista em Psiquiatria pela UFBa, Preceptor da Residência Médica e Diretor Geral do Hospital Juliano Moreira da SESAB - Dr. Gervásio Araujo - psiquiatra, formado em Reparentalização pelo Cathexis Institute (USA), autor de livros, foi médico de instituições públicas e privadas na Bahia. Convidado Especial: Lama Padma Samten (POA) – Moderadora: Drª Arlúcia Fauth

Seminário Completo............................................R$ 70,00

Módulo Individual (cada).....................................R$ 30,00

Instituto da Hospitalidade – Rua da Misericórdia
(em frente ao Museu da Misericórdia)

Tel.: (71) 3342.0992 (recado) - (71) 9134.8455

Que todos os seres possam se benficiar!


Lama Padma Samten é brasileiro, nascido em 1949, foi aceito em 1993 como discípulo por Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche. Foi ordenado em Três Coroas RS Brasil, em dezembro de 1996 por seu mestre como lama budista da linhagem Ningmapa. Sua linguagem opta pela introdução clara das liberdades já presentes na natureza ilimitada manifesta em cada um. Lama Samten também tem trabalhado intensamente pelo diálogo inter-religioso, no movimento pacifista, é membro fundador do Comitê Brasileiro de Apoio ao Tibet, facilitador da UNIPAZ e Fundação Peirópolis. Seus ensinamentos foram parcialmente publicados na forma de livros com os títulos: "Meditando a Vida", "Jóia dos Desejos", "O Lama e o Economista", "Relações e Conflitos", e "Mandala do Lótus".


Relíquias do Buda e de outros Grandes Mestres do Budismo
Salvador - BA - 04 a 08/04/2008
Uma coleção com mais de 1.000 relíquias sagradas do Buda e de outros mestres budistas estará sendo exposta no Brasil. Estas relíquias serão guardadas de forma definitiva em um relicário no coração da magnífica estátua do Buda Maitréia...
Local: Museu da Misericórdia Rua da Misericórdia, n° 6 (entre o Elevador Lacerda e a Praça da Sé) - Exposição Aberta ao Público Das 10h00 às 17h00.

saiba mais...

CEBB Caminho do Meio - Viamão - RS
Estrada Caminho do Meio, 2600 - CEP 94515-000 - Viamão/RS
Tel: (51) 3485.5159 - (51) 3501.4430 - (51) 8129.0889
CEBB Porto Alegre - RS
Tel.: (51) 9347.2767 - (51) 9255.6028
CEBB Pelotas - RS
Tel.: (53) 3227.0590 - (53) 9981.8236
CEBB Rio Grande - RS
Tel.: (53) 3232.3387 - (53) 9115.0373
CEBB Curitiba - PR
Tel.: (41) 3362.4587 - (41) 8818.9989 |
CEBB Recife - PE
Tel.: (81) 3242.3662 - (81) 9292.7744
CEBB Rio de Janeiro - RJ
Tel.: (21) 2266.0049 | (21) 8707.2678
CEBB Niterói - RJ
Tel.: (21) 2622.0213
CEBB Salvador - BA
Tel.: (71) 3342.0992 - (71) 9134.8455
CEBB Feira de Santana - BA
Tel.: (75) 9111.0440
CEBB SP - São Paulo - SP
e Outras Cidades do Estado
Tel.: (11) 3266.5372 |
CEBB Belo Horizonte - MG
Tel.: (31) 3047.8123 - (31) 9823.2256
CEBB Florianópolis - SC
Tel.: (48) 9105-9566
Demais Cidades

Curso gratuito de INTRODUÇÃO AO GALEGO


Contatos: e

O Núcleo de Estudos Galegos da Universidade Federal Fluminense vai
oferecer o curso de extensão “Introdução ao Galego”, coordenado pelo Prof. Dr.
Fernando Ozório Rodrigues (UFF e ABF) e ministrado pelo Prof. Dr. Xoan Carlos
Lagares (UFF).

O curso se dirige a estudantes e profissionais da área de Letras ou de
outras áreas congêneres que tenham interesse em conhecer o monumento cultural
que é o galego, língua oficial, junto com o castelhano, da região noroeste da
Península Ibérica: a Galícia, ou Galiza.

São dois os objetivos gerais do curso: oferecer elementos que ajudem a
compreender a situação sociolingüística da língua galega hoje; e mostrar as
principais diferenças entre as falas galegas e o português brasileiro, de modo a
possibilitar o diálogo de alunos brasileiros com enunciados escritos e orais em língua

O curso terá a duração de 20 horas/aula, em encontros semanais, às
quintas-feiras, das 14 às 16 horas, a partir do dia 03 de abril de 2008, e será
realizado na sala 214, bloco C, no Instituto de Letras da UFF, Campus do
Gragoatá, em Niterói.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas na sala 216, bloco C,
Campus do Gragoatá, e ainda pelo telefone 2629-2565, ou por e-mail:,

Serão fornecidos certificados de participação, e todo o material didático do
curso será oferecido gratuitamente.

José Pereira da Silva

Visite a página do CiFEFiL e participe de seus eventos:




Se quiser adquirir alguma de nossas publicações, acesse a página

Baixe para o seu computador o texto completo do novo ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA em PDF (

quarta-feira, 19 de março de 2008



Nos últimos anos, nota-se uma crescente preocupação com o hábito da leitura entre crianças e jovens estudantes. Há muito tenho lido reportagens e notícias que abordam esse tema de forma bastante comprometida com o público jovem e essa nova perspectiva para a educação.

No entanto, o que me chama muito a atenção não são as constantes e necessárias implementações para a democratização da leitura, mas, sim, o desconhecimento sobre como ocorre o acesso à palavra escrita por um mercado consumidor, que por ser a minoria, fica às margens dessa nova realidade. Trata-se de um público leitor: os estudantes que, além de ler, tocam as palavras e podem sentí-las com as pontas dos dedos, viajam nesse mundo de sensações e imaginações.

No último ano, porém, tive uma experiência que me trouxe muitas descobertas, dentre elas a que julgo de grande importância: a busca dos profissionais da educação pela capacitação em “grafia Braille”. Durante a formação de duas turmas de professores, verificou-se que o desconhecimento dessa forma pouco comum de "enxergar" as palavras, vem dando lugar ao enorme interesse e, acima de tudo, ao cuidado de encarar essa capacitação não apenas como complementação de um currículo, mas para multiplicar e compartilhar tais aprendizados em seu círculo de convívio.

Essa é uma das maneiras positivas de valorizar o público deficiente visual como membros de um grupo social, respeitando a diversidade como um aspecto da própria condição humana e buscar a consciência, levando até os superiores a necessidade de encará-los como pertencentes ao mercado consumidor, afinal, é a demanda que fará a diferença e colocará no mercado o material de que precisam.

Você provavelmente já ouviu falar em Sistema Braille, um Sistema de leitura tátil e escrita em relevo que leva o nome de seu inventor: Louis Braille. Ele nasceu na França (1809-1852) e perdeu sua visão aos 3 anos acidentalmente. Criou este método ainda jovem, porém, o reconhecimento e a adoção do código oficial só foi possível após sua morte. Expandiu-se lentamente pelo mundo, sendo o Brasil o 1º país da América Latina a trazer a escrita em relevo para a libertação educacional e cultural dos deficientes visuais.

Você já deve ter encontrado algum deficiente visual alisando ou tocando alguma página e ter ficado horas observando para descobrir qual seria o significado de tantos pontos amontoados em um pedaço de papel. Outras vezes, o espanto é inevitável, sendo comum escutar frases como: "Ele é um gênio!" Porém, não há nada de tão genial e nem existem poderes sobrenaturais para que aquele amontoado de pontos se transforme em palavras, sentenças, frases e tenha um significado coerente. Justamente por ser uma forma de leitura e escrita acessível a qualquer pessoa, seja cega ou vidente (quem enxerga), o Braille não é considerado uma "linguagem" própria dos deficientes visuais.

Para quem enxerga e para os cegos, as técnicas são distintas. Os primeiros utilizam o olho e elaboram uma comparação simbólica para cada sinal que representa letras, numerais, sinais de pontuação, código musical, matemática, química, física, entre outros. Já para o segundo grupo, o que ocorre é a substituição de um canal receptor, no caso a visão, pelo tato, caracterizando-se por um método analítico, pois será por meio do contato direto do "dedo" com a letra em relevo no papel que a leitura será possível. Analisa-se letra a letra, ao contrário da técnica globalizante empregada pela visão, captando registros diferentes simultaneamente. Essa fragmentação de leitura provocada pelo tato faz com qu e o processo de alfabetização Braille seja criterioso e utilize métodos e técnicas específicas, bem como a seqüência das etapas, como a de estimulação tátil, a fase preparatória de pré-leitura, escrita, leitura e utilização de materiais comparativos com a estrutura do Sistema em relevo.

Cabe lembrar, também, que os níveis e processos de aprendizagem variam para crianças ­– na fase de alfabetização, adultos na reabilitação e professores para dar suporte a um aluno em sala regular. O ensino deste método deve ser acompanhado por um profissional especializado e, durante a fase escolar, ensinado paralelamente aos conteúdos convencionais das disciplinas, pois o Braille, ao contrário do que muitos profissionais afirmam, não se constitui em uma metodologia de ensino, mas para o deficiente visual que está nesta etapa do conhecimento, corresponde ao próprio conteúdo.

Sua universalidade não retira o caráter lógico de sua estrutura e das normas técnicas, sendo somente possível representá-las com o uso do alfabeto em relevo, já que não existem correspondências em tinta para tais: distribuição lógica no papel, posicionamento de mãos, movimentos de dedos, representação de sinais e pontos. Os erros de ortografia que aparecem durante a escrita nem sempre são os mesmos erros da grafia em tinta, por exemplo, perfurando um ponto a mais na letra c, ela pode se transformar – dependendo da posição em que se encontra – nas letras m, f, d, e assim por diante. Isso reforça, ainda mais, que os processos de alfabetização em tinta e em Braille são distintos e quaisquer ações para tal padroniza&ccedi l;ão podem levar ao fracasso deste processo.

No entanto, a denominação acima de "genial" pode ser muito bem empregada quando pensamos que, há pouco mais de 200 anos, toda essa independência e autonomia estava limitada aos olhos de alguém que pudesse descrever ou ler os escritos para os cegos. Ficavam isolados do mundo, da literatura, da escolarização e até mesmo do convívio social, afinal, a linguagem escrita e lida tornou-se objeto essencial para o relacionamento coletivo.

Assim, para os deficientes visuais, o genial do Sistema está na liberdade proporcionada, na luz acesa para gerar um saber, um conhecimento, o compartilhar de idéias e significados, imagens e sensações capazes de construir e reconstruir, escrever e reescrever, num exercício constante, sua própria obra: a vida!

Luciane Maria Molina Barbosa é pedagoga especializada em grafia Braille; professora de Alfabetização/reabilitação pelo método Braille; capacitação de professores e palestrante. Para entrar em contato com a autora, mande um e-mail para Acesse também o site: HTTP://

Caso queira enviar seu texto ou tirar alguma dúvida a respeito do Jornal Virtual, mande e-mail para


Priscila Conte

Sociedade do futuro

Sociedade do futuro
Kelly Roncato

Ele tem apenas 13 anos de idade. Traz consigo o histórico da violência intrafamiliar, da vida nas ruas, dos atos infracionais e do vício em drogas. Ouviu a mãe atirar no pai adotivo aos oito anos de idade, parou de estudar e fugiu de casa. Mas tudo isso faz parte do passado. Hoje, a história que Railander Pablo Freitas de Souza tem para contar é muito boa. Ele é – e será até completar 18 anos – o representante brasileiro do júri internacional infantil do Prêmio Nobel das Crianças.

Um pouco de história...
Tudo começou quando o garoto foi encaminhado pela própria mãe para o abrigo Casa Moradia e conheceu o projeto Circo de Todo Mundo. Lá Railander teve acesso à informação de que existia um prêmio, entregue anualmente, a pessoas que se preocupavam em garantir o cumprimento dos direitos das crianças e dos adolescentes em alguma parte do mundo. E quem elegia essa pessoa era um júri internacional formado por 15 crianças de várias partes do mundo. O requisito para fazer parte da seleção era possuir uma história de vida que demonstrasse claramente a necessidade de encontrar e persuadir a sociedade civil para o trabalho de proteção da infância no mundo.

O caso de Railander poderia competir com o de outras crianças. Assim, o nome dele foi inscrito na seleção brasileira da criança que se tornaria a representante do país nesse júri. O garoto teve sua história de vida publicada no Portal Educacional e mais de 4 mil estudantes de escolas públicas, particulares, moradores de abrigos e participantes de projetos em Organizações Não Governamentais votaram no nome dele como sendo de um bom representante.

Por isso, em abril deste ano, o mineiro Railander foi à Suécia participar do encontro com outras 14 crianças e ajudar a decidir, em uma votação, quem seria a vencedora de 2007 do prêmio Amigo das Crianças, oferecido pela ONG Children’s World, da Suécia, e entregue, em cerimônia solene, pela Rainha Silvia. Em 2007 concorreram Cynthia Maung, da Birmânia, Inderjit Khurana, da Índia e Betty Makoni, do Zimbábue.

“Nesse evento eu aprendi que nós, menores de 18 anos, temos direitos a serem cumpridos. Eles são sérios, valem para todos, mas o Brasil ainda pode melhorar muito, porque existem coisas fundamentais e simples que não são feitas aqui”, diz ele. “Quando chegamos lá, temos alguns problemas de comunicação, por conta da língua, mas é possível aprender o que os outros países já estão fazendo e ver que algumas necessidades não são só nossas.”

Teoria na prática
O garoto conta que hoje estuda pela manhã e participa do projeto Circo de Todo Mundo à tarde. Com essas atividades diárias, ele aprende a ter disciplina, a buscar seus sonhos, compreende mais a necessidade que pessoas com a idade dele possuem nos quesitos estudos, brincadeiras, alimentação adequada, proteção e carinho. Pilares que, juntos, trazem a oportunidade para a vida de crianças, mesmo que nasçam em famílias pobres ou sejam filhas de países do chamado terceiro mundo.

Além de todas essas conquistas, Railander voltou a morar com a família. Quando crescer quer ser ginasta e trabalhar em um circo. Se possível, no Cirque Du Soleil, já que é o melhor do mundo. “Hoje estou melhor, estou morando de vez com a minha mãe e com os meus irmãos. A minha convivência com eles melhorou muito. Eu mudei, aprendi coisas novas e melhorei.”

O representante brasileiro do júri internacional infantil Crianças de Todo Mundo – nome real do “Nobel das Crianças” – nunca mais usou drogas ou cometeu atos infracionais. Pelo contrário, ele hoje serve de modelo a ex-colegas de rua e ajuda outras crianças a conhecerem seus deveres e direitos em diversos locais, entre eles a sala de aula. “Sempre digo para meus amigos serem educados e respeitarem os professores. Eles nos ensinam, nos dão carinho e podemos melhorar com o que aprendermos.”

A história deste menino é um bom exemplo, professor, para você trabalhar com seus alunos temas como superação, desafio, persistência e a busca por aquilo que se deseja. Além, claro, de ajudar àqueles que passam por uma situação parecida a encontrar um caminho para a mudança.

Educação é investimento?

Educação é investimento?
Vanja Ferreira

Estava assistindo a TV Senado e vi uma entrevista com o Senador Cristóvão Buarque do PT-DF, na qual ele diz a seguinte frase: “Educação é investimento; assistência social é gasto, despesa sem retorno.”

Concordo plenamente. Um país que valoriza e prioriza a educação, com certeza, não vai precisar de projetos assistenciais – do tipo Vale Gás, Fome Zero, Bolsa Família, Bolsa Escola, etc.; que, para mim, são esmolas – porque seus cidadãos terão uma vida mais digna, mais justa e menos desumana.

Um povo educado é consciente de seus direitos, portanto, é capaz de reivindicá-los, uma vez que conhecem as leis e podem forçar o poder público a exercê-las.

Educação perpassa por leitura e escrita, mas muito mais por senso crítico, luta por melhores condições de vida, justiça social, conscientização, deveres e direitos em níveis igualitários, ética e, acima de tudo, educação perpassa pela cidadania.

Num mundo capitalista, onde a sobrevivência depende de moeda, é necessário trabalho para todos. Não é possível construir um mundo justo com uma minoria com muito e uma maioria com muito pouco!

Temos de encontrar uma maneira de resgatar o trabalho braçal das lavouras, as mãos-de-obra que movimentam as máquinas, as construções, os serviços de limpeza, valorizando cada uma destas funções e remunerando-as adequadamente, sem exploração e escravidão; para que as pessoas que as exercem não sintam necessidade de abandoná-las na esperança de uma vida melhor.

Já imaginou se existissem só doutores? Quem faria o serviço técnico?

Temos de trabalhar naquilo que possuímos habilidade e gostamos de fazer, porém, queremos uma remuneração justa, que valorize o trabalho de cada setor; que os governantes, patrões, donos do poder percebam que somos uma equipe; se não houver quem plante não haverá o que comer; se não houver quem cate o lixo iremos adoecer; se não houver quem ensine iremos “emburrecer”; enfim, são tantas rimas que eu passaria o dia aqui tentando descrever...

A palavra chave é va-lo-ri-za-ção!

Uma pessoa valorizada tem aumento da auto-estima, tem interesse em progredir de forma lícita; sabe que não precisa cometer nenhum ato de violência, pois pode ter e dar uma vida digna para sua família.
O que quero dizer é que só educação não basta!

Uma pessoa educada que não tem trabalho, que não tem dignidade, que não é valorizada, que vê e não pode ter, será uma bomba-atômica na sociedade e provocará estragos bem maiores quando explodir.

Ensinar o ser humano a “aprender, a ser, a fazer e a conviver” conforme sugeriu a UNESCO e fazer parte do discurso de muitas instituições hoje, é fácil. No meu ponto de vista, difícil é ensinar a repartir, a dividir, a compartilhar, trocar e democratizar.

Quando a educação estiver a serviço da eqüidade será investimento; caso contrário, a escola continuará sendo uma instituição assistencialista, ensinando o indivíduo a “conviver” com aquilo que já está instituído pelo poder público; a “ser e a fazer”aquilo que já esta determinado e a “aprender” aquilo que for do interesse político.

segunda-feira, 3 de março de 2008